Adoração,Santidade e serviço

Lição 13

As Orações dos Santos no Altar de

Deus tem um templo fora do céu. Nem todo o culto, nem todos os adoradores estão confinados a esse mundo feliz, onde ele habita imediatamente. Ele tem outro santuário na terra - outros adoradores e outros serviços,

Faça aqui o download dos slides


Partilhe! Obrigado.

O Incenso da Oração no altar de ouro

"Suba a minha oração, como incenso, diante de ti, e seja o levantar das minhas mãos como o sacrifício da tarde!" (Salmo 141: 2).

Deus tem um templo fora do céu. Nem todo o culto, nem todos os adoradores estão confinados a esse mundo feliz, onde ele habita imediatamente. Ele tem outro santuário na terra - outros adoradores e outros serviços, onde, com quem, e com os feixes de sua presença estão estritamente comprometidos e tão verdadeiramente brilhantes como na assembleia geral da igreja reunida em torno dele na glória. Não é a magnífica estrutura feita por mãos, com seu esplêndido ritual e seu pesado cerimonial lisonjeador para o orgulho a fim de cativar o sentido do homem, mas um templo e um serviço do templo muito mais bonito aos olhos de Deus é sobre o qual nós falaremos. "Assim diz o Senhor: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés; que casa me edificaríeis vós? E qual seria o lugar do meu descanso? Porque a minha mão fez todas essas coisas, e assim todas elas vieram a existir, diz o Senhor; mas para esse olharei, para o humilde e contrito de espírito, que treme da minha palavra.” (Isa 66.1,2).

" Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito; como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos" (Isaías 57.15).

Este é o templo de Deus na terra, este é o seu adorador, e este é o seu culto. A estrutura material não é nada, o serviço magnífico não é nada, o adorador formal não é nada "mas eis para quem olharei: para o humilde e contrito de espírito, que treme da minha palavra.” Oh, mais solene verdade! Oh mais que preciosas palavras! "Senhor, grava-as no meu coração pelo teu bendito Espírito, seja o meu corpo o teu templo, o meu coração o teu santuário, a tua presença a minha vida, a minha vida o teu serviço".

Antes de selecionar e iniciar a tradução deste texto, eu havia meditado sobre o modo como os antigos se referiam ao cristianismo como sendo a religião verdadeira, e que este uso da palavra religião nada tinha a ver segundo o ponto de vista deles com a noção presente de rituais e cerimônias pesados e prescritos por forma tradicional, que de tal modo são observados que chegam a ocupar o lugar da verdadeira piedade e santidade. Então, em todos os seus escritos, ao se referirem à religião verdadeira apontavam para a vida espiritual em comunhão com Cristo e com os irmãos da fé, no cultivo das virtudes relativas aos atributos divinos pelo poder do Espírito e aplicação da Palavra de Deus à vida. Não admira que tantos não se sintam movidos a congregarem em templos cristãos onde pouco se vê desta operação vital da piedade nos corações dos crentes, porém muito de formas, ritos e cerimônias que chegam até mesmo a espantar os espíritos mais sensíveis e temerosos.)

O crente em Jesus é um sacerdote real, ordenado para oferecer sacrifícios espirituais a Deus. Ele é chamado e consagrado, vestido e ungido, para um serviço elevado e santo. Seu chamado é divino, sua consagração é santa, suas roupas são valiosas, sua unção é perfumada. Antes da postura, da glória e do serviço de um dos sacerdotes reais, toda a pompa e magnificência do sacerdócio de Aarão se desvanecem em nada. Chamado de acordo com o propósito de Deus, consagrado e separado pela graça soberana, investido com a justiça de Cristo, ungido com o Espírito Santo e oferecendo o sacrifício espiritual de um "coração quebrantado e contrito", é surpreendente que Deus olhe com um deleite inefável a tais adoradores? Mas, apenas de um único desses muitos pontos interessantes devemos nos permitir falar no momento. Referimo-nos ao incenso que cada verdadeiro crente em Jesus, em seu caráter de sacerdote real, oferece ao Senhor.

O assunto apresenta à nossa visão, o cristão em seu mais santo e solene traço, que se aproxima de Deus e apresenta diante do altar de sua graça o incenso da oração. A referência típica a isto é surpreendentemente bela.

"1 Farás um altar para queimar o incenso; de madeira de acácia o farás.

2 O seu comprimento será de um côvado, e a sua largura de um côvado; será quadrado; e de dois côvados será a sua altura; as suas pontas formarão uma só peça com ele.

3 De ouro puro o cobrirás, tanto a face superior como as suas paredes ao redor, e as suas pontas; e lhe farás uma moldura de ouro ao redor.

4 Também lhe farás duas argolas de ouro debaixo da sua moldura; nos dois cantos de ambos os lados as farás; e elas servirão de lugares para os varais com que o altar será levado.

5 Farás também os varais de madeira de acácia e os cobrirás de ouro.

6 E porás o altar diante do véu que está junto à arca do testemunho, diante do propiciatório, que se acha sobre o testemunho, onde eu virei a ti.

7 E Arão queimará sobre ele o incenso das especiarias; cada manhã, quando puser em ordem as lâmpadas, o queimará.

8 Também quando acender as lâmpadas à tardinha, o queimará; este será incenso perpétuo perante o Senhor pelas vossas gerações.

9 Não oferecereis sobre ele incenso estranho, nem holocausto, nem oferta de cereais; nem tampouco derramareis sobre ele ofertas de libação.” (Êxodo 30.1-9)

Que este incenso era típico da oração, apareceria em Lucas 1:10, "e toda a multidão do povo orava da parte de fora, à hora do incenso."

Davi, embora morando na época mais sombria da igreja, interpreta correta e lindamente este tipo: "Que a minha oração seja posta diante de vós como incenso". É uma figura apropriada e impressionante.

E agradecidos, querido leitor, devemos nos aproveitar de tudo o que na Palavra Divina tende a nos ensinar a natureza, a ilustrar a bem-aventurança, a aprofundar a solenidade e a envolver nossos esforços no santo dever e no doce privilégio da ORAÇÃO.

Interessante e importante, assim como os tópicos sobre os quais nos dirigimos anteriormente, todos devem ceder ao interesse e à importância disto. A oração é o sopro vital da alma vivente; a oração é o modo de nossa aproximação a Deus; a oração é o canal designado de toda a bênção. A ocasião contemplada ao longo deste pequeno volume é especialmente a época em que a oração é encontrada como a mais calmante e santificante.

Todas as preciosas bênçãos que nos esforçamos para trazer diante de seu coração sofrido, calculadas para consolá-lo e curá-lo, são transmitidas a você através deste único modo: a comunhão com Deus. Uma vez que possamos convencê-lo a derramar seu coração para ele - assim, separando-o de todos os outros recursos de conforto, e focando-o exclusivamente para a oração; em outras palavras, fazendo com que você foque exclusivamente em Deus, sentimos que nós o conduzimos através das ondas de sua dor para a rocha que é mais alta do que você. Que o Espírito Eterno seja nosso Mestre e Consolador, enquanto brevemente falamos do INCENSO DA ORAÇÃO.

O incensário do crente - o que é? De onde surge o incenso da oração subindo ao trono do Eterno? Oh, é o coração. O coração renovado e santificado do crente é o incensário de onde sobe a nuvem perfumada. Ah crente; há falsos, há censuradores espúrios acenando diante do trono da graça. Não há precioso incenso neles, nem fogo, nem nuvem. Deus não cheira um aroma doce em sua oferta. A verdadeira oração é o incenso de um coração quebrantado pelo pecado, humilhado pela sua iniquidade, lamentando sua praga, tocado, curado e confortado com o sangue expiatório do grande sacrifício de Deus. Este é o verdadeiro incensário; isso é o que Deus olha. Não podemos citar novamente suas palavras, tão expressivas, tão solenes, tão preciosas? "A este homem eu olharei, aquele que é pobre e de um espírito CONTRITO, e que TREME da minha palavra."

Este é o próprio incensário escolhido por Deus. Isso, e somente isso, ele considerará. Oh! Quem pode descrever o valor, a beleza e a aceitação desse incensário para aquele cujos "olhos se movem de um lado para outro por toda a terra, para mostrar-se forte em favor daqueles cujo coração é perfeito para com ele?"

A este, Deus olha. "Porque o Senhor não vê o que o homem vê, porque o homem olha para o exterior, mas o Senhor olha para o coração" (1 Sam 16.7). Precioso incensário! Moldado, formado, embelezado por Deus.

Não existe na terra uma coisa mais vil e desagradável, do ponto de vista do verdadeiro crente, do que seu próprio coração. De qualquer outro olho humano cujo seio é profundamente, e impenetravelmente velado; tudo o que está dentro é conhecido apenas por si mesmo. O que essas câmaras de abominação são, Deus não permitirá que outra criatura saiba. Mas, oh, quão escuro, quão repugnante, quão impiedoso para aquele "que conhece a praga de seu próprio coração!" E ainda assim; oh graça maravilhosa!

Deus, por seu Espírito renovador fez desse coração um incensário caro e precioso, cuja nuvem ascende e enche todos os céus com sua fragrância. Com todo seu mal interior e autoaversão, Deus vê suas lutas, observa seu conflito e marca sua sinceridade. Ele tem seu dedo em seu pulso; ele sente cada batida, registra cada vibração. Nem um sentimento o emociona, nem uma emoção o agita, nem uma tristeza o obscurece, nem um pecado o fere, nem um pensamento passa por ele do qual não está ciente. Crente! Jesus ama esse seu coração, pois comprou com o sangue, as agonias e as lágrimas de Seu próprio coração. Ele habita em você pelo seu Espírito, e o ama. Você é  Seu templo, Sua casa, Seu incensário, e nunca poderia aproximá-lo em oração, mas está preparado para aceitar tanto o incensário como o incenso com uma complacência e deleite, que encontra a melhor expressão na linguagem de sua  própria palavra, "Eu vou aceitar você com seu doce aroma."

E, o que é o incenso que flui como uma nuvem deste precioso incensário? Oh, é o incenso da oração! O mais precioso e perfumado incenso que jamais chegou ao céu através de um mero coração humano. Como descreveremos o preço deste incenso? Os seus materiais, como aqueles que Arão lançou no incensário, que os sacerdotes queimavam diante do Senhor, cuja oferta era chamada de "incenso de especiarias", são mais caros ainda. São materiais divinos lançados nele pelo próprio Deus; a convicção do coração sobre o pecado, o seu sentimento de autoaversão, a sua doce contrição, a sua santa tristeza, o seu arrependimento sincero, a sua sincera confissão, a sua plenitude livre e sem reservas derramando-se diante de Deus. E de fato, deve ser muito daquilo que o Espírito Santo de Deus inspirou, porque ele é a brasa viva que queima o incenso.

E o que diremos da fragrância deste incenso? Oh, quanto ainda temos de aprender sobre a doçura intrínseca da oração real! Só podemos conceber imperfeitamente a fragrância que deve haver para Deus na respiração do Espírito Divino, no coração de um pobre pecador. É talvez um gemido, um suspiro, uma lágrima, um olhar, mas é a pronunciação do coração, e Deus pode ouvir a voz do nosso choro, e interpretar a linguagem de nossos desejos, quando os lábios não proferem uma palavra, tão perfumado para ele é o incenso da oração. E quando a oração surge de um coração tocado pelo Espírito de adoção, sendo a respiração do amor de um filho, a confiança e forte desejo de buscar o seio de Deus; oh quão rico o incenso é então!

E é o incenso de um coração de oração carregado por tristeza, ferido e murchado como erva, menos perfumado para Deus? Não, cristão de luto, a oração é o alívio dado por Deus para o seu triste coração. Dai-vos, porém à oração, agora na hora da vossa tristeza e solidão, e os vossos sopros enviados ao céu com trêmulos acenos, retornarão ao vosso coração desconsolado e desolado, todos ricos e cheios de consolações do céu. As respirações santas que sobem do coração de um crente, se acumulam nos céus superiores, e quando a maioria precisa de refrigério descem novamente nas bênçãos da aliança sobre sua alma. Nenhuma oração de fé real é perdida, assim como a umidade exalada da Terra nunca é perdida. Aquele vapor fino, quase invisível, que o sol da manhã apanhou, retorna novamente destilando em suaves orvalhos, ou caindo em abundante chuva, regando a terra e fazendo-a produzir e brotar. Esse desejo fraco, aquela respiração fraca da alma à busca de Deus, de Jesus, de santidade, e de céu, nunca perecerá.

Era, talvez, tão fraco e trêmulo, tão misturado com tristeza e dor, tão carregado de queixas e pecado, que você mal podia discerni-la como verdadeira oração; e ainda, amado, ascendendo de um coração habitado pelo Espírito Santo de Deus, e tocado pelo amor de Deus, ela se levantou como a nuvem de incenso diante do trono do Eterno e foi misturada com a fragrância do céu. Ao redor daquele trono orações estão se reunindo, como uma aglomeração de anjos, e embora a visão possa demorar, contudo esperando na fé humilde o tempo de Deus, aquelas orações voltarão carregadas com as mais ricas bênçãos da aliança eterna - "as fiéis misericórdias de Davi". Deus concederá os desejos de seu coração. Jesus se manifestará à sua alma. Para nada mais, nosso Pai Celestial se comprometeu mais forte e solenemente do que com a resposta da oração da fé. "Chamarás, e eu responderei."

Mas, há ainda um aspecto de nosso assunto indescritivelmente glorioso, indizivelmente precioso. De onde o incenso da oração deriva sua verdadeira fragrância, poder e aceitação com Deus?

Ah, amado! A resposta está próxima. De onde, senão do incenso do mérito expiatório de nosso Grande Sumo Sacerdote oferecido na terra, e pela incessante intercessão apresentada no céu? A abertura do sétimo selo, na visão apocalíptica revelou esta gloriosa verdade ao olho maravilhado do evangelista. "Veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para que o oferecesse com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que está diante do trono. E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos santos." (Apocalipse 8: 3, 4).

 Este anjo não é outro senão o Anjo da aliança, Jesus, nosso Grande Sumo Sacerdote que está diante do altar de ouro no céu, apresentando o incenso doce de seus méritos divinos e morte sacrificial; a nuvem que sobe diante de Deus "com as orações dos santos".

Oh, é o mérito do nosso Emanuel, "que se entregou a si mesmo por nós como uma oferta e um sacrifício a Deus, por um cheiro suave", que dá virtude, prevalência e aceitação ao incenso da oração ascendente do coração dos filhos de Deus. Cada petição, cada desejo, cada gemido, cada suspiro, cada olhar, surge diante de Deus com a "fumaça do incenso" que sobe da cruz de Jesus e do "altar de ouro que está diante do trono". Toda a imperfeição e impureza que se misturam com nossas devoções aqui, é separada de cada petição pela expiação de nosso Mediador, que a apresenta como doce incenso a Deus.

Veja seu Grande Sumo Sacerdote diante do trono! Veja-o movendo o incensário de ouro de um lado para outro! Veja como a nuvem de incenso sobe e envolve o trono! Veja como o céu está cheio de sua fragrância e sua glória!

Crente em Jesus, sobre o coração do sumo sacerdote oficiante o teu nome está escrito; na fumaça do incenso que subiu do incensário movido, suas orações são apresentadas. O sangue de Jesus purifica-as;  o mérito de Emanuel as perfuma, e nosso glorioso Sumo Sacerdote assim apresenta tanto a nossa pessoa como o nosso sacrifício a seu Pai e nosso Pai, ao seu Deus e nosso Deus. Oh maravilhoso incentivo à oração!

Quem, com tanta certeza de que suas petições fracas, quebradas e manchadas, mas sinceras, acharão aceitação com Deus, não se dirigiriam em oração no trono da graça?

Vá, em nome de Jesus; vá, lançando-se sobre o mérito que enche o céu com sua fragrância; vá e derrame seu pesar, revele sua tristeza, confesse seu pecado, pleiteie o seu perdão, revele suas necessidades, contemplando o Anjo que está no "altar de ouro que está diante do trono". O incenso que respira de seu coração oprimido e ferido "subirá diante de Deus da mão do Anjo", como uma nuvem, rica, perfumada e aceita.

Ó, dá-te à oração! Não diga que seu incensário não tem nada a oferecer. Que não contém especiarias doces, nem fogo, nem incenso. Apresente-o como ele está, todo vazio e frio, ao Grande Sumo Sacerdote, e enquanto olha com fé para aquele que é o Altar, o Cordeiro morto e o Sacerdote, meditando assim sobre este espetáculo maravilhoso de Jesus, sacrificado por você,  o seu Espírito lançará as doces especiarias da graça e as brasas de amor no seu coração vazio e frio, e haverá uma nuvem de incenso precioso, que ascenderá com o "muito incenso" dos méritos do Salvador, como "uma oferta e um sacrifício a Deus de um cheiro suave e doce."

Lembre-se, que Jesus oferece com "muito incenso" a oração de "todos os santos". Nesse número, você amado, está incluído. Os santos provados, os santos doentes, os santos sofridos, os santos tentados, os santos enlutados, os santos fracos e enfermos, os santos errantes e restaurados; sim, "as orações de todos os santos" são "oferecidas sobre o altar de ouro que está diante do trono".

Nem esqueça que há incenso da noite, bem como incenso da manhã. "Quando Aarão acender as lâmpadas à tarde, queimará incenso." E assim, quando o dia da época de sua prosperidade e alegria é passado, e a noite de adversidade, tristeza e solidão desenha suas sombrias cortinas em torno de você, então tome o seu incensário e agite-o diante do Senhor. Ah! Penso naquela hora de solidão solene e triste, naquela hora em que a tristeza vem, e visões de outros dias dançam diante dos olhos, como sombras na parede, naquela hora em que falha todo o apoio e

simpatia humana; é então que o mais doce incenso da oração sobe diante de Deus. Sim, não há oração tão verdadeira, tão poderosa, tão perfumada como a que a tristeza pressiona no coração.

 

Partilhe! Obrigado.


Vamos iniciar o 3º Trimestre de 2019 Na EBD, A Maior Escola Do Mundo; Seja Bem Vindo

Nosso Compromisso com Deus e Com as Pessoas é Ensinar e Transmitir Informações das Santas Escrituras

EBD MOLDANDO VOCÊ

Valdemar Quaglio


EBD 2º Trimestre 2019 Lição 11 O Sacerdócio de Cristo e o Levítico

EBD 2º Trimestre 2019 Lição 11 O Sacerdócio de Cristo e o Levítico

Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e feito mais sublime do que os céus.” (Hebreusb 7.26)

EBD Escola Bíblica Dominical 2º Trimestre 2019 Lição 11

Valdemar Quaglio


EBD 2º Trimestre 2019 Lição 10 O Sistema de Sacrifícios

EBD 2º Trimestre 2019 Lição 10 O Sistema de Sacrifícios

Deus Criou um Sistema de Sacrifícios para os Israelitas, Indicando que Jesus Cristo Seria o Supremo Sacrifício; Ele Pagaria de Uma Vez por Todas, Morrendo Uma Só Vez Pelo Pecado do Mundo

EBD MOLDANDO VOCÊ

Valdemar Quaglio


Escola Bíblica Dominical (EBD) 2º Trimestre 2019 Lição 9 A Arca da Aliança

Escola Bíblica Dominical (EBD) 2º Trimestre 2019 Lição 9 A Arca da Aliança

A Arca da Aliança era de Madeira de Acácia, Revestida de Ouro; O Ouro Simbolizava a Divindade de Cristo e a Madeira Simbolizava a Humanidade de Cristo, Portanto em Geral A arca da Aliança Era a Presença de Deus Entre os Israelitas

Escola Bíblica Dominical (EBD) 2º Trimestre 2019 Lição 9 A Arca da Aliança

Valdemar Quaglio